14 de fevereiro de 2008

Mário é tudo!

Um pedido de carência, um pedido de amor.

Por favor, não me analise
Não fique procurando cada ponto fraco meu.
Se ninguém resiste a uma análise profunda,
Quanto mais eu...
Ciumento, exigente, inseguro, carente
Todo cheio de marcas que a vida deixou
Vejo em cada grito de exigência
Um pedido de carência, um pedido de amor.

Amor é síntese
É uma integração de dados
Não há que tirar nem pôr
Não me corte em fatias
Ninguém consegue abraçar um pedaço
Me envolva todo em seus braços
E eu serei o perfeito amor.

Mário Quintana, poeta, tradutor e jornalista

13 de fevereiro de 2008

Loucos e Santos

Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.
Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco.
Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice!
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou.
Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril.

Oscar Wilde, escritor irlandês

1 de fevereiro de 2008

Rumando para o AcampBab

Estou acabando de arrumar as coisas e estou indo de mala e cuia para o AcampBab em Jaguaquara, fico lá até o dia 5 de fevereiro. Desde 2006 venho aumentando minha participação no evento, quando trabalhei na informática e ajudei na equipe de louvor.

Em 2007 fizemos um teste e mudamos a data do evento da primeira semana completa de cada ano para a época do carnaval. Deu certo! O número de acampantes duplicou! A turma do Álvaro Jr. cuidou - e muito bem - do louvor e eu apenas fiquei na informática.

Agora para este evento de 2008 eu criei a logomarca, o site, além de servir na informática também e agora vou cuidar da equipe de louvor juntamente com o Josias e quem estiver por lá que queira ajudar. Vamos fazer uma banda de improviso (aliás como eu acho que deveria ser sempre... porque era assim antigamente) e vamos ver no que dá.

Vou no Acampamento desde 1988 e aprendi a amar aquilo. No início da década de 90 ele teve seu áuge, mas depois do cinquentenário foi meio que abandonado pela juventude baiana e passou apenas a ser frequentado por alguns velhinhos. O que estamos tentando fazer desde 2006 é aumentar a participação jovem por lá. Esperamos conseguir...

Bom já vou indo! Estou atrazado... depois falo mais!

Os comentários aqui postados podem ser citados desde que se mencione junto o autor - no caso eu - e se coloque junto um link para este site ou o permalink para a página de postagem correspondente.