15 de novembro de 2016

A orkutização do tempo.

Acorda, e mesmo antes do café, senão durante, pega o celular e checa o WhatsApp, olha se tem email e dá uma olhada rápida no Facebook, no Twitter, no Instagram, no Hello e quem sabe até no LinkedIn.

No trabalho, vez por outra, entre uma pesquisada na rede e uma verificada no email da empresa, escapole da rotina e checa "rapidinho" as redes sociais de novo ou pra assistir alguma coisa no YouTube. E isso se repete algumas vezes por dia na hora do almoço, no lanche e antes de fechar de vez o expediente.

De volta em casa, toma banho, ao invés da TV, entra no Netflix e zapeia pra ver as novidades ou pra ver mais uma parte daquela série ou pra terminar aquele filme que ficou faltando um pedaço outro dia.

Antes de dormir, ouve um pouco de música baixinho no Spotify enquanto lê no Kindle mais um capítulo de um livro de ficção científica que o serviço indicou baseado em seus hábitos de leitura.

Chega final de semana e passa a manhã "zerando" aquele jogo "indie" no Steam ou no PS3 ou no mesmo no celular.

Se você se identificou com uma ou algumas destas rotinas. Não se sinta mal. É a Internet entrando em nossa vida e tomando conta de tudo.

Sem que a gente note, vamos achando que cada aplicativo desses é essencial. Não vivemos mais sem. Ou pelo menos achamos...

Realmente não é fácil viver sem. Eu, particularmente, amo cada um desses serviços. Mas o que mais me queixo deles todos é a quantidade de tempo que esses aplicativos e serviços online "roubam" da gente.

E o tempo é caro. Sempre foi.

É justamente da nossa atenção que esses serviços vivem. E quanto mais a nossa atenção eles tem mais dinheiro eles ganham. Preste atenção!

É sábio utilizar esses serviços sem que se seja utilizado por eles. E esse equilíbrio não é fácil. Por isso devemos "vigiar", ser cuidadores do nosso tempo. Sempre atentos, nós devemos encontrar os "ralos" por onde se esvai nossa vida para que um dia quando você olhar pra traz não chore se lamentando:

- Perdi tanto tempo no Facebook...
- O que? No Facebook? Aquele site que fechou?
- É. Igual o Orkut.


31 de agosto de 2016

Impeachment


Quem perde a capacidade de se indignar diante da impossibilidade justiça perde sua humanidade.
Em 94 eu votei no Brizola, em 98 e em 2002 no Ciro Gomes (e em Serra no segundo turno), em 2006 votei no Cristovam Buarque (e no Alckmin no segundo turno), em 2010 e 2014 na Marina Silva (e em Serra e Aécio no segundo turno). Ou seja, nunca votei no PT (Lula ou Dilma), e só votei no PSDB (Serra, Alckmin ou Aécio) em segundo turno quando as opções eram ou PT ou PSDB. Com isso posso dizer que não sou nem PT nem PSDB. Mas também não sou nenhum outro partido. Começo assim pra contextualizar e localizar e deixar claro o que escrevo a seguir: Depois de 8 anos de FHC/PSDB já estava na hora de mudança. Aí veio o Lula/PT e seus 8 anos de governo foram, noves fora, muito bons. Novamente seria hora de mudança. 8 anos de um partido no poder já tá bom demais. Mas a Dilma/PT ganhou e ganhou de novo. Sério? 16 anos de PT no poder? Achei muito. O governo dela já não era a mesma coisa. Ela não se saiu a excelente gestora vendida nas campanhas. Péssimo governo. Crise política. Problemas com o congresso. Dilma no poder sem conseguir governar. Sem traquejo político e por vezes arrogante com o congresso, de quem dependia pra votar leis. Muito ruim. Aí veio esse impeachment. Não sabia o que pensar. Fui procurar entender. Assisti os argumentos dos dois lados. Acusação e defesa. Meses disso. Repetições mil. Cheguei a uma posição. Se o impeachment fosse baseado no conjunto da obra do governo dela, ela era culpada fácil. Mas não era o caso. A defesa está certa. O impeachment baseado no que foi é fraco e facilmente se prova que ela é inocente. Salta aos olhos.

Quantos às acusações feitas, Dilma é inocente. Inocente sim. É duro pra você ouvir isso? É duro admitir? Provavelmente você nem quer ler o resto, não é? Exatamente. Leia e pense comigo. Prometo que não vou defender Dilma. Só elaborar um pensamento. Primeiro uma lembrança histórica: Você sabia que Fernando Collor foi absolvido no supremo (sim, o STF) daquela acusação que tirou ele da presidência? Pois é. Ele era inocente daquelas acusações. Mas quando acontece um impeachment - principalmente no Brasil - a acusação em si pouco importa, o que importa é se o presidente tem maioria na câmara e no senado. E Dilma não tem mais, pois o PMDB do vice, e que é maioria - decidiu tirar Dilma e por Temer no lugar se aliou à oposição. Então mais nada importa. É como se de repente a presidente virasse primeiro-ministro e o sistema político - apenas pra tirar o presidente - virasse temporariamente parlamentarista. Aí amigo... já era! O Papa Francisco ou o próprio Jesus em pessoa pode ser testemunha de defesa que não adianta nada. Aquele circo todo é político. Na política qualquer pretexto vale. Vale aqui um adendo sobre a imprensa. Principalmente a Globo mas não só ela. Quem assiste Globo e Globo News e que tem um pingo de criticismo percebe claramente o quão tendencioso aquele canal é. É impressionante. E acho tão desnecessário. É um desserviço. Mas enfim... Nas ruas também não importa. Quem quer que Dilma saia (muitos desses que até votaram nela e no PT quando tava tudo bem, tudo legal) tá pouco ligando se é Temer ou próprio Lúcifer que vai assumir no lugar dela. Tá pouco importando que não haja provas. Inocente ou culpada tanto faz. O que acontece daí pra frente? Dane-se! Tanto faz! Vamos pagar pra ver. E ao ver tanta gente - daí incluindo-se os parlamentares, deputados e senadores e pessoas comuns como eu e você - que, mesmo sabendo de sua inocência, pouco se importando, desde que ela saia. Você percebe o ódio, o sangue nos olhos. A cara maquiavélica quase que dando aquela risada clichê de vilão... mu hu ho ha ha ha... Eu aprendi que pra ser justo tem que ser imparcial. Mesmo sendo duro admitir que o veredito justo não é aquele que você queria. Você tem que fazê-lo.

A gente aprende na vida que a justiça é rara. Muito rara.

8 de janeiro de 2016

11 Anos

Há 11 anos começávamos a namorar...

Quero mais 11, e mais outros tantos. Só estamos começando. Que venham!! Vamos tirar de letra! Te amo!

* Essa foi a primeiríssima de nossas fotos juntos. Tirada pelo Irineu, que nos viu juntos e parou pra uma prosa.


Os comentários aqui postados podem ser citados desde que se mencione junto o autor - no caso eu - e se coloque junto um link para este site ou o permalink para a página de postagem correspondente.