14 de julho de 2009

Sem direção

Para onde corre a vida?
Para onde corre você?
Para onde corre o tempo?
Que a gente nunca encontra tempo
Pra parar de correr.
Para onde corre a cidade?
Para onde corre o metrô?
Para onde corre o relógio?
Que a gente traz sempre com ódio
Porque se atrazou.

E perdeu a hora
E perdeu o sábado
E perdeu o início
De um filme que mal começou
E perdeu a viagem
E perdeu dinheiro
Mas pra falar a verdade
O que perdeu primeiro?

Para onde corre a polícia?
Para onde corre o ladrão?
Para onde corre o governo?
Que no final o desgoverno
Corre a nação.
Para onde corre o progresso?
Para onde corre a razão?
Para onde corre o futuro?
Que todo mundo anda mais duro
No seu coração.

Porque perdeu a hora...

Para onde corre... para!

(Gerson Borges)

11 de maio de 2009

VeroShop

Acho que é normal pra todo mundo. Pelo menos pra mim: Toda vez que invento de fazer algo eu mergulho naquilo profundamente e tento entender completamente como aquilo funciona. Eu leio, estudo, me envolvo e fico atento aos comportamentos e ao que as pessoas dizem.

Uma das atividades que tem tomado um bom tempo meu nos últimos meses é uma loja virtual que criei e estou tocando para divulgar a boa música que falo tanto aqui no blog. É a VeroShop (www.veroshop.com.br). Por lá já estão vendendo suas músicas artistas como Jorge Camargo, Tiago Vianna, Jo Rocha, David Lisboa Neto, Baixo e Voz, Gerson Borges, Lamartine Posella, Maurício Domene, Osman Martins, Silvestre Kuhlmann e Crombie. Em breve também estarão Arlindo Lima, Leon Neto, Amaury Fontenele, Roberto Gonçalves, Glauber Plaça, Fabinho Silva e Diego Venâncio entre outros. O site já conta com mais de 260 canções e contando... O objetivo principal nem é tanto vender as canções, mas prover um local diferenciado onde estes artistas possam ver divulgados seus trabalhos.

Mesmo porque vender música não é fácil hoje em dia. A primeira coisa que ouço quando falo da loja pra alguém é: "Mas alguém compra? Porque dá pra conseguir tudo que eu quero ouvir de graça!". Chega a ser frustrante.

É aí que começo o meu desabafo:

Piratear música já virou algo tão banal que as pessoas já não conseguem entender como é que ainda se vende música. E acabam invertendo o sentido das coisas. Acham que vender música é que é errado e baixar pela net não só é o certo como é o incentivado por todos. Acham que comprar na net não é seguro pois pode haver fraude. Quando baixar arquivos ilegais pela web pode expor seu computador a vírus, worms e estes programas que roubam suas senhas bancárias e podem acabar causando prejuízos ainda maiores.

Não escrevo isto para convencer ninguém a comprar nada em minha loja ou em lugar algum. Quem tem o espírito bucaneiro incrustado na sua cultura não compraria música nem sob a ameaça de uma arma em sua nuca. E diria: "Eu morro mas não compro! Isso é um absurdo!". É impressionante eles acharem um absurdo ser honesto. Bem o Rui Barbosa profetizou isto em 1914 quando disse no senado: "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto." Ser honesto é feio. Dá vergonha. "Se eu comprar uma música meus amigos que baixam na internet vão rir de mim. Vão me chamar de idiota. Vão dizer que eu fui enganado! Não posso passar por isso... seria um mico!"

O engraçado é que com outras coisas isto não funciona da mesma maneira. Se você compra um carro você provavelmente não quer dividí-lo com ninguém. "É meu e quem quiser um que compre o seu!". Mas com música tudo muda. A música é algo que aproxima as pessoas. É algo mais "religioso" e "futebolístico" do que "capitalista". Quando você mostra uma música a um amigo que ele não conhece você imediatamente se torna o "evangelista" daquela banda ou cantor e então mostra as canções quase dizendo "você precisa ouvir isto". E pra conseguir arrebatar um "fiel" você então copia as músicas para ele. É praticamente impossível fugir disso. Eu mesmo admito que já fiz isso e vivo a me policiar.

Por outro lado, uma coisa é copiar uma música para um amigo. Isso todo mundo fazia desde a época do vinil e das fitas K7. Quem não copiou um disco numa fita e deu pra um amigo? Eu mesmo tenho uma tenebrosa recordação de ter ganho de um amigo de meu pai em 1985 - como presente de aniversário de 11 anos - uma fita recheada de "belíssimos" instrumentais de Richard Clayderman. Não me recordo de ter ficado feliz naquela oportunidade, mas tenho a fita até hoje. O que acho insano é alguém querer lucrar com isto disponibilizando não uma mas milhares de músicas num site onde gera receitas com propagandas mil sem se importar com os artistas. E tem alguns que ainda colocam no site textos dizendo que são contra a pirataria. E se justificam dizendo que o que fazem é divulgar o artista. Não só desonestos mas também são uns hipócritas.

Só sinto pela música e pelos artistas. Principalmente os independentes. Que gastam fortunas do próprio bolso preparando um album. E depois assistem seu trabalho ser "liberado" na net sem nenhuma cerimônia enquanto os discos ficam em casa encalhados nas caixas. Sei que tudo isto terá que ser revisto e readaptado para estes novos tempos. Provavelmente os grandes selos conseguirão reaver o lucro de alguma forma mesmo disponibilizando as músicas de graça. Alguns selos já fazem isso. Só acho injusto... pois ao artista independente só restará o que ele ganha nas poucas apresentações ao vivo.

Não disse que me envolvo demais? É apenas um desabafo...

13 de abril de 2009

Carta do Som do Céu - Manifesto de artistas cristãos

Nós, músicos, artistas e líderes eclesiásticos, cristãos, vindos das variadas regiões brasileiras, estivemos reunidos entre os dias 6 a 12 de abril de 2009, no Acampamento da Mocidade Para Cristo do Brasil, dias de comemoração dos 25 anos do Som do Céu, para discutir dois temas principais: “A música e os músicos na igreja” e “A igreja como promotora de cultura”.
Agradecemos a Deus pelos dias de comunhão fraterna entre nós e pelo privilégio de ouvi-lo entre as vozes pastorais e proféticas que ecoaram em nosso meio. Reconhecemos que a música cristã tem ocupado um espaço significativo em nossos dias, tanto na igreja como na sociedade em geral. No entanto, observamos que nem sempre essa participação tem sido consistente e coerente com a Palavra de Deus – nosso referencial maior – nem rendido glórias ao Senhor da Igreja. Desejamos, portanto, apresentar à Igreja brasileira a “Carta do Som do Céu”, sintetizada em 25 pontos, que resume nossas inquietações e propõe ações práticas à Igreja de Cristo Jesus, nesse princípio de século XXI:

1. O artista cristão deve desenvolver o seu dom criativo e submetê-lo exclusivamente aos valores da Palavra de Deus;

2. Cremos que a arte, na perspectiva da graça comum, é um presente dos céus a toda humanidade e não está restrita aos cristãos;

3. Desejamos que haja coerência entre a vida, o ministério e a profissão do artista cristão, cujo discurso deve estar aliado à sua prática;

4. Esperamos que o artista cristão busque servir a Deus e à sociedade com excelência e integridade, dedicando-se ao desenvolvimento dos talentos e dos dons recebidos do alto;

5. A igreja precisa estar atenta ao artista cristão como parte do rebanho de Deus e dar a ele a atenção devida, despida de preconceitos, e oferecer-lhe pastoreio e discipulado, objetivando a sua formação espiritual e ética;

6. Esperamos que o artista cristão esteja envolvido em uma igreja local, servindo-a e amando-a como Corpo de Cristo. Deve ser rejeitada toda e qualquer tentativa de desenvolvimento de uma fé individualista e distante da comunidade;

7. Reafirmamos que a elaboração de textos e letras deve ter embasamento nos valores da Palavra de Deus;

8. Comprometemo-nos a dedicar atenção e reflexão às canções que são introduzidas no culto de adoração e nas demais atividades da igreja, buscando um repertório equilibrado e consciente e evitando, de todas as formas, que heresias e desvios teológicos adentrem sutilmente em nossas comunidades;

9. As igrejas, as instituições de ensino teológico e os artistas cristãos devem combater o ensinamento equivocado e amplamente difundido de que louvor e adoração restringem-se à musica, ensinando, por demonstração e exemplo, que se trata de um estilo de vida que envolve todas as áreas da nossa existência e que a música, assim como outras formas de arte, é expressão legítima de louvor e adoração;

10. A igreja deve agir como facilitadora na adoração e abrir espaço para que todos expressem seu louvor a Deus;

11. Esperamos que o músico cristão busque e desenvolva a santidade, vivendo uma vida piedosa, tanto no serviço prestado a Deus na igreja, quanto fora dela, em sua atividade profissional;

12. Rejeitamos a dicotomia que faz separação entre o sagrado e o secular e cria espaços estanques na vida do cristão. O Senhor Jesus é soberano e governa todas as instâncias da vida, e, por isso, devemos somente a ele a nossa fidelidade, agradando-o em tudo e rejeitando tão-somente o que ofende a sua glória;

13. A Igreja não se pode esquivar de sua responsabilidade diante da cultura na qual está inserida; deve mentoriar a reflexão e a prática de uma teologia de arte e cultura;

14. Incentivamos as igrejas a abrir suas dependências para a realização de eventos culturais como exposições, mostras, cursos, saraus e outras atividades visando à educação, à divulgação e à aproximação da sociedade;

15. Mesmo entendendo que todo trabalho na igreja é voluntário, podemos honrar com sustento ou remuneração aqueles que se dedicam ao ministério musical, se a comunidade disponibiliza de recursos para tal;

16. Entendemos que nossa arte deve encarnar uma voz profética e manifestar em seu conteúdo os valores do Reino;

17. Recomendamos que as igrejas promovam encontros de reflexão sobre a utilização das artes no Reino de Deus, capacitando os artistas para a realização de seu trabalho;

18. Incentivamos os músicos a expressar em sua arte a beleza de Deus por meio de uma contextualização e diversidade musical;

19. Reconhecemos o caráter essencialmente transformador e questionador da nossa arte e não cremos que ela deva estar a serviço do mercado;

20. Muito embora os artistas cristãos não se devam render aos senhores da mídia, tornando-se reféns desta, podem utilizar de maneira ética os meios de comunicação como canal para a divulgação de sua arte, proclamando, assim, o Reino de Deus;

21. No que se refere ao relacionamento entre os músicos e a liderança eclesiástica, encorajamos o diálogo, o respeito e o reconhecimento mútuo de seus ministérios como algo dado por Deus;

22. Incentivamos que os artistas cristãos busquem perante o Estado e a iniciativa privada recursos para a promoção de sua arte por meio de leis de incentivo à cultura, editais para financiamento de projetos culturais etc.

23. Encorajamos as igrejas a investir na educação e na formação de artistas;

24. Propomos que as igrejas e as instituições de ensino teológico incentivem as diversas manifestações artísticas e não somente a área musical;

25. Compreendemos que o ofício de artista é legítimo como tantos outros, podendo ser exercido pelo artista cristão no mercado de trabalho e devendo ser apoiado e incentivado pelas comunidades cristãs.

São Sebastião das Águas Claras, 9 de abril de 2009.

Assinam:

Debatedores:
Aristeu de Oliveira Pires Junior – Canela (RS)
Carlinhos Veiga – Brasília (DF)
Denise Bahiense – Rio de Janeiro (RJ)
Erlon de Oliveira – Belo Horizonte (MG)
Gladir Cabral – Florianópolis (SC)
João Alexandre Silveira – Campinas (SP)
Jorge Camargo – São Paulo (SP)
Jorge Redher – São Paulo (SP)
Marcos André Fernandes – Garanhuns (PE)
Marlene F. Vasques – Goiânia (GO)
Nelson Marialva Bomilcar – São Paulo (SP)
Paulo César da Silva – São José dos Campos (SP)
Romero Fonseca – Goiânia (GO)
Rubão Rodrigues Lima – Brasília (DF)
Sérgio Paulo de Andrade Pereira – Ribeirão Preto (SP)
Wesley Vasques – Goiânia (GO)

Demais participantes:
Alfredo de Barros Pereira – Brasília (DF)
Andréa Laís Barros Santos – Maceió (AL)
Aracy Clarkson Ferreira – Rio de Janeiro (RJ)
Armando de Oliveira – Salvador (BA)
Bruno Leonardo Alves da Fonsêca – Garanhuns (PE)
Caio César da Silva Pereira – Brasília (DF)
Carolina Gama – Campinas (SP)
Carolina Lage Gualberto – Belo Horizonte (MG)
Cláudia Barbosa de Souza Feitoza – Brasília (DF)
Danielle Martins Lima – (MG)
Davi Julião – São Paulo (SP)
Dora Bahiense – Florianópolis (SC)
Elecy Messias de Oliveira – Goiânia (GO)
Fábio Cândido de Jesus – Anápolis (GO)
Felipe de Freitas Hermsdorff Vellozo – Niterói (RJ)
Francely F. Barbosa – Anápolis (GO)
Glauber Toledo Plaça – São Paulo (SP)
Gleice de Oliveira Vicente Cantalice – Maceió (AL)
Guilherme e Alessandra Fontes Vilela Carvalho – Belo Horizonte (MG)
Guilherme Praxedes – Belo Horizonte (MG)
Hadassa de Moraes Alves – Viçosa (MG)
Irineu Santos Junior – Belo Horizonte (MG)
Isabella Sarom Sabino Honorato – Anápolis (GO)
Ismael S. Rattis – Brasília (DF)
João Carlos Pereira Junior – Vitória (ES)
Jocemar “Mazinho” Filho – Recife (PE)
Jônatas de Souza Reis – Belo Horizonte (MG)
Karen Bomilcar – São Paulo (SP)
Leonardo de Azeredo Peclát – Goiânia (GO)
Leonardo Rodrigues Barbosa – Brasília (DF)
Lidiane Dutra da Silva – (MA)
Marcel Martins Serafim – Jacareí (SP)
Marcelo Gualberto da Silva – Belo Horizonte (MG)
Márcia Pacheco Foizer – Brasília (DF)
Marilda Redher – São Paulo (SP)
Marivone Lobo Pereira – Ribeirão Preto (SP)
Pedro Barbosa de Souza Feitoza – Brasília (DF)
Rafael Ribeiro Santos – São Paulo (SP)
Renata Telha Ferreira – Rio de Janeiro (RJ)
Roberto Cândido de Barros – Curitiba (PR)
Selma de Oliveira Nogueira – São Paulo (SP)
Silvestre Moysés Loyolla Kuhlmann – São Paulo (SP)
Stênio Március – São Paulo (SP)
Talita Estrela R. Martins – Belo Horizonte (MG)
Vânia Sathler Lage – Belo Horizonte (MG)
Walma Oliveira – Rio de Janeiro (RJ)

------------------------------------------------

Isto é histórico gente! Espero que a igreja brasileira leia e entenda este texto.

4 de março de 2009

Mais Música

O Rocha (lá da Bélgica) me mandou dois vídeos legais que eu curti pra caramba. Boa música de gente jovem como o Jason Mraz e a Colbie Caillat que estão surgindo forte no meio pop internacional de qualidade.

Vamos às músicas...

Essa música que o Jason Mraz interpreta é meio antiga mas a versão dele no violão ficou muito boa.



A Colbie eu não conhecia mas parece que por lá pela Europa eles conhecem bem.



Sei que só tenho postado música últimamente! É inevitável pois com o pouco tempo que me sobra realmente não dá pra parar e escrever! E pra piorar ainda veio o Twitter (ferramenta de blogagem rápida pra blogueiros preguiçosos... brincadeirinha) que acaba recebendo a maior parte dos updates do dia, sobrando pouco assunto pra por aqui! Quem sabe melhoro isso quando der...

28 de fevereiro de 2009

O Mundo Unido na Música

Alguma dúvida de que a música já faz milagres que a política jamais fará? A música tem este dom divino de unir as nações. Estes dois vídeos abaixo mostram isto com uma clareza incrível. Cantores do mundo inteiro, famosos ou não, ricos ou que vivem da música nas calçadas. Todos fazendo uma única música. Incrível!



E esta do Bob Marley praticamente é um hino à integração dos seres humanos como raça:



Tem muito mais aqui!

24 de janeiro de 2009

Ele Exaltado

Os grandes Abraham Laboriel e Justo Almario - numa apresentação muito bem humorada - cantam esta canção linda que sempre cantamos aqui nas nossas igrejas também. É emocionante ver estes dois senhores apresentarem o evangélho de forma tão descontraída e livre... é pra assistir um monte de vezes...



Achei no Café com Alecrim...

Viagem a Brasília

Durante estes primeiros dias úteis de Janeiro estive perambulando (literalmente) por Brasília, fui rever parentes, especialmente minha querida avó em Brazlândia. Fui com minha namorada e com minha filha (que conheceu a bizavó dela). Andamos muito (muito mesmo), passeamos muito, andamos de metrô, comemos pequi com arroz, tomamos Mate Couro, provamos da Geléia de Mocotó, do refrigerante Jesus, fomos na feira do Guará, jogamos moedinha na piscina do palácio da Alvorada... Também aproveitei para dar uma boa olhada na 89ª Convenção Batista Brasileira que aconteceu nestes dias no Centro de Convenções de Brasília. Comprei o CD novo do Jorge Rehder e o novo do VPC. Encontrei gente conhecida e muita gente que não conhecia. Assistimos Feliciano Amaral e Luiz de Carvalho cantar, ví de longe o famoso Pr. Fanini. Enfim... foram dias intensos...

4 de janeiro de 2009

Mais um pouco de Jazz

Desta vez a maravilhosa Corinne Bailey Rae interpreta a bela canção "River" que me faz lembrar muito uma outra canção que faz parte da trilha do filme "Filadelphia" chamada "All the Way" (só lembra!) acompanhada aqui pelo fenomenal Herbie Hancock. Esse cara é pra mim um dos maiores pianistas de jazz da atualidade. Ela tem uma bela voz e este instrumental é divino. Perfeito! Eleva o espírito e faz pensar!

3 de janeiro de 2009

Tá faltando um pouco de Jazz

Eu só não o Jazz mais do que amo a música brasileira. Com a excessão do regional (que não deve ser alterado) praticamente toda boa música brasileira tem um pouco de jazz.

O saxofonista cristão americano Kirk Whalum tá lançando um DVD lindo com um belo show gospel (aqui se pode usar esta palavra sem medo de errar) recheado de convidados. Chega de papo! Assista isso e se delicie com a boa música negra gospel jazz americana.


The Gospel According to Jazz Chapter 3 from Kirk Whalum on Vimeo.

Dica de meu amigo Josias Brasil!

1 de janeiro de 2009

Lições para 2009

Um amigo me mandou este texto, um daqueles que vale a pena parar tudo pra ler e refletir. No meio de tanto SPAM, com tanto texto que as pessoas mandam umas para as outras todos os dias repletos de bobagens tolas sem sentido, parece até que este é mais um. Não é!

O título é "20 coisas que eu gostaria de ter sabido quando estava começando na vida"!

Clique no link e leia este belo texto! Me emocionou porque me ví em praticamente todos os tópicos. Parecia que era eu escrevendo...
Os comentários aqui postados podem ser citados desde que se mencione junto o autor - no caso eu - e se coloque junto um link para este site ou o permalink para a página de postagem correspondente.