23 de outubro de 2006

Quero tanta coisa... mas preciso?

É incrível o quanto o ser humano moderno sempre acha que está precisando de alguma coisa. Nada lhe satisfaz... procure neste planeta inteiro... alguém 100% satisfeito e ponto... simplesmente não existe...

O objetivo sempre muda mas o sentimento de que falta algo é mesmo para todos. Uns - uns não, a grande maioria - procuram encontrar isto no dinheiro, outros num grande amor, outros ainda na religião, e, paradoxalmente uns até se desapegam dos bens ou fazem o bem sendo voluntários justamente procurando conforto para a alma.

Eu mesmo quero tanta coisa, a começar por um computador e um notebook atualizados; sucesso no meu trabalho; voltar pra música e gravar meu CD; a paz no mundo... se fosse listar tudo aqui...

Mas o que queremos é o que realmente precisamos? E se não for? Quem nos convencerá? Nós mesmos? E nós nos ouvimos? A quem nós ouvimos? Qual a autoridade que nós temos sobre nós mesmos? Parece que dentro de nós há uma outra pessoa que as vezes nos comanda tão ditatoriosamente que simplesmente não há o que fazer!

As vezes acho que é inútil tentar nos satisfazer porque sempre iremos procurar novos desejos e jamais estaremos satisfeitos...

Vamos imaginar a hipótese de um ser humano que conseguisse tudo e não sobrasse mais nada nada a se imaginar que ele já não possuisse. De bens materiais a espirituais, tangiveis e intangíveis. O que aconteceria? Este ser seria alegre ou triste? Entraria em um extase de total contentamento? Ou acabaria por se entediar daquilo tudo e começaria a desejar ter desejos?

Isso provaria que é da nossa natureza estar eternamente descontente com a nossa condição seja ela qual for? É essa natureza que une todos os seres humanos ricos e pobres e de todas as raças. A eterna e abençoada insatisfação que fez com que nossa raça se desenvolvesse sobre todoas as outras raças. Um bug em nosso genoma que propulsionou a espécie humana a dominar o planeta de forma tão violenta que está quase chegando a destruí-lo simplesmente por não poder ou não saber parar de querer mais e mais e mais... sempre...

O que fazer? Desistir então? Se não há fim, qual será mesmo a graça disto? Ficam aí estes questionamentos... muito pano pra manga... inclusive pra minha...

9 de outubro de 2006

Amor pela Sabedoria

De uns 3 anos pra cá tenho pensado muito. Em tudo. Não só na vida que levava ou levo, mas também nos "porques", nos "como", nos "e se" de tudo aquilo ou disto. Muitos destes pensamentos eu deixei registrado aqui mesmo neste blog. Escrevia muito sobre coisas que naquele momento mexiam comigo.

Não sabia mas estava filosofando. Não entendia que entrar pelo caminho de questionar as coisas era filosofia. Lembro de ter tido aulas de filosofia na escola mas aquilo parecia mais com aula de redação (sou bom nisso) e não deixa ter tudo a ver pois - me corrigam se estiver errado - o que seria da filosofia se ninguém escrevesse sobre o que foi mastigado e digerido pelas mentes dos grandes filosofos?

Algo que estou compreendendo agora é que na filosofia o que mais vale não são as respostas e sim as perguntas. Os questionamentos colocam o nosso cérebro pra funcionar e a partir de uma questão intrigante chegamos a novas questões até mais intrigantes ainda. A resposta é obtida se questionando mais e cada vez mais. Hipotetizar também é um grande exercício para a filosofia. Ao simularmos situações é criada a questão "e se..." e então passamos a analizar conseqüencias de atos que nunca existiram, que talvez até seriam impossíveis de se realizar mas o que vale é a pesquisa e a produção do conhecimento.

Não sou a melhor pessoa pra falar sobre filosofia por isso linkei para a o que Wikipédia fala sobre para que vocês entendam melhor. O que quero com este post é deixar claro aqui a minha ignorância sobre filosofia e diante desta ignorância declarar o quanto ela tem me fascinado, e ainda mais agora que entendo mesmo que pouco o que ela significa.

Este post serve meio que para introduzir uma série de futuros posts sobre filosofia que irei colocar aqui no blog. Levantar algumas questões e externar meus pensamentos filosóficos. Espero conseguir colocar aqui o que borbulha em meus pensamentos e se não conseguir achar respostas que pelo menos encontre novas perguntas.

8 de outubro de 2006

Impressionante

Acompanhei de perto no último mês algo que me decepcionou um pouco com relação a blogs e a arte de blogar. Acompanho 152 blogs atualmente com a minha conta do Bloglines. Muitos deles eu adicionei devido a uma campanha da nossa blogosfera para tornar conhecidos os nossos maiores blogs. Sempre achei que tinha uma lista muito boa.

Desde que pipocou na rede um certo vídeo (de uma certa "celebridade cujo nome lembra o de uma marca de temperos" com seu namorado numa praia) , eu notei que muitos blogs citam este fato repetidamente apenas para serem acessados com maior intensidade e assim ganharem mais impressões e cliques em suas propagandas.

Existem posts em que claramente se nota pelo conteúdo que o único objetivo é atrair mais e mais acessos. Conseguem colocar num post de 3 ou 4 paragrafos as 15 palavras mais procuradas pelos internautas no Google durante a última semana ou mesmo o que a mídia anda comentando. De preferência algo que notoriamente se tornou viral na rede.

Tenho me perguntado se isso é correto. Se vale tudo para ganhar alguns dólares a mais do Brin e do Page ou do Filo e do Yang. Se atrair o internauta incauto quase que como se pesca peixe é correto. E a resposta que sempre vem é NÃO! Pode ser que a minha maneira de pensar esteja errada ou simplesmente porque não vivo do que meu blog modestamente arrecada com propaganda. Não sei...

O fato é que esta maneira de monetizar é perigosa porque decepciona o navegante que chega procurando por algo relevante indicado pelos Googles da vida e encontra simplesmente um post que apenas menciona superficialmente o fato e aí então ele sente que caiu numa armadilha. Sente que é o pato da vez e que deu sem querer de alguma forma grana pro dono daquele site que se deu bem às suas custas.

Pode afugentar também os frequentadores assíduos que estão a procura de bom conteúdo. Que - como eu - assinam aquele blog e recebem todo santo dia seus feeds e perdem um precioso e escasso tempo lendo pra simplesmente não obter conteúdo algum. E novamente ser pato! Acho isso muito injusto e anti-ético.

Talvez esteja sendo dramático! Talvez muitos gostem destas estratégias de marketing de guerrilha ou de sei lá o quê! Mas acho que o usuário merece respeito. E se o blogueiro quer ganhar seus créditos de impressões de ads pela net que o faça primariamente respeitando seu público e lhe oferecendo algo em troca.

4 de outubro de 2006

Feliz Aniversário Linda

Já falei aqui o quanto eu amo esta garota! Sim! Garota porque se propôs a viver a vida alegremente - no melhor estilo Rúbem Alves - e a sorrir sempre!

Adoro o jeito espivitado dela! As vezes ela até exagera um pouco e me mostra - pelas minhas reações - o quanto estou ficando adulto e deixando estas coisas de lado. Mas gostaria de falar disso aqui porque foi justamente isto que me atraiu nela! Sua vontade de viver apesar de tudo!

Ela brinca mas isso não quer dizer que não seja séria. Na verdade isto não tem nada a ver. São coisas que não se anulam e podem sim conviver e ela é uma real prova disto. Iêda sobretudo pensa. É uma pensadora e tem exercido este dom em seu blog onde mostra a que veio. Se preocupa com a condição humana e com o social.

Ela também sabe me analisar. Entende quem eu sou muito mais do que eu mesmo. E consegue me dar toques tão profundos a meu respeito que de tão constrangido - é que o dedo na ferida dói - eu chego a me irritar. Isso me faz ter um pouco de medo dessa sensibilidade emocional a flor da pele.

Iêda! É com um simples post - sem nenhum interesse - como este que eu quero registrar os meus parabéns e a minha felicidade pela passagem do teu aniversário! Que Deus te encha de bençãos e realize todos os anseios do teu coração! Isso eu desejo do fundo do meu coração!

Quero te ver sempre assim! Alegre e feliz por dentro e por fora! Tá?! Te amo muito!

Teu namorado!
Os comentários aqui postados podem ser citados desde que se mencione junto o autor - no caso eu - e se coloque junto um link para este site ou o permalink para a página de postagem correspondente.