1 de março de 2005

Quando as águas

Quando as águas de março chegarem
Ou o vento do outono soprar...
Ao olhar, vou notar que sozinho eu estou
E perceber que simplesmente, sem Tí nada sou...

Quando a sombra da noite tentar se apoderar
E a brisa mais fria ficar...
Vou correr, Te encontrar e ao Teu lado ficar
Pois eu Te amo, jamais permita te abandonar...

É tão difícil caminhar sem Teu braço a me amparar
Pois Teu caminho é o meu caminho
O Teu olhar é a minha luz.

De Tuas palavras eu me alimento
Enquanto descanço à sombra da cruz,
Não posso andar nem respirar sem tí... Jesus.

Quando as águas de março chegarem...

Adriano Estevam e Joe Edman

Nenhum comentário:

Os comentários aqui postados podem ser citados desde que se mencione junto o autor - no caso eu - e se coloque junto um link para este site ou o permalink para a página de postagem correspondente.