9 de dezembro de 2010

Minha Rua

Os cheiros da minha rua me chamam
E me fazem querer voltar pra lá
Os aromas de café torrado
Se misturam com os de jasmim
E nunca sei de onde eles vem

De todos os lugares da minha rua
Brotam sabores e sons e música
As pessoas e os carros vem e vão
E o vendedor de quebra-queixo
com seu triângulo? Que fim levou?

Quando lembro da rua da minha infância
Não sinto só saudade, eu me transporto
Estou ali quando maus olhos se fecham
E tudo por que passei quando lá estive
Brota de mim, me envolve a súbito

E os olhos não querem mais abrir...

Nenhum comentário:

Os comentários aqui postados podem ser citados desde que se mencione junto o autor - no caso eu - e se coloque junto um link para este site ou o permalink para a página de postagem correspondente.