30 de novembro de 2007

Árabes, Sodoma e Gomorra (sobre Gênesis de 16 a 20)

Continuando meus comentários sobre destaques da leitura que venho fazendo da Bíblia... (não vou me desculpar pela demora desta vez porque parece que cada vez que me desculpo pela demora eu demoro cada vez mais). Portanto vamos lá:

Para Iniciar

Antes de iniciar preciso dizer que temos que analizar os fatos ocorridos sobretudo no Velho Testamento pela ótica da cultura civilizatória de um povo - e não falo do povo de Israel porque o próprio Israel nem havia nascido ainda - muito antigo e que não era regido por lei alguma ainda. Muita gente quer pegar acontecimentos narrados na Bíblia e apenas utilizar em nossos dias sem levar em conta a contextualização cultural tanto deles que viveram tais fatos quanto a nossa onde tais fatos seriam facilmente enquadrados até como crime. E não é porque tá na Bíblia que tais fatos sejam corretos hoje. Bom... vamos em frente...

A Origem dos Árabes

Vemos logo no início do capítulo 16 o "sofrimento" de Abraão com relação a Sara, que era estéril. Digo sofrimento ironizando, é claro, porque pra aplacar esta... dor, ela lhe deu a sua empregada - que se chamava Agar - pra ele tentar filhos com ela também. Claro que devemos olhar pela ótica cultural daquele tempo, onde uma mulher que não podia ter filhos era considerada inútil e era motivo de vergonha para todos inclusive - e principalmente - por ela mesma. Nisso o Abraão acaba "se dando bem", aí mais uma vez pela nossa ótica cultural e não pela dele, que considerava isto algo super natural. E a Agar acaba naturalmente engravidando de Abraão.

Mas aí a Agar pisa na bola porque acaba se achando superior a Sara - e neste quesito realmente era - e despreza sua patroa. Sara se sente ameaçada e querendo que o marido faça alguma coisa para resolver isto o coloca na parede. - Ou eu ou ela! - Mas ele como não era bobo e não queria problemas com a patroa, diz: - Você resolve! - Era tudo que Sara queria ouvir naquela hora. A Bíblia diz numa tradução que sara "afligiu" a Agar já em outra - mais antiga - diz em bom português que sara maltratou mesmo. E maltratou tanto que Agar não aguentou e fugiu.

Mas Deus havia prometido a Abraão que protegeria toda sua decendência sobre a terra. E já que Agar carregava na barriga um filho de Abraão, Deus mandou um anjo para conversar com Agar e convencê-la a voltar para casa. Já que não teria muita chance de sobreviver sozinha naquele deserto. E o anjo a convence a voltar e a se humilhar perante Sara. Diz também que seu filho deveria ser chamado de Ismael e ele seria pai de um povo muito numeroso sobre a terra. E seria valente como um "jumento selvagem". E ela então voltou e logo depois teve Ismael.

Ismael foi o pai do povo ismaelita, que são os árabes e os muçulmanos de hoje em dia. Até hoje eles brigam com os judeus pela posse da terra santa - Jerusalém - por se acharem os dois no direito daquele lugar. Isso talvez deva nos servir de lição, porque uma guerra que hoje consome centenas de vidas diariamente - com os palestinos-árabes-muçulmanos seus homens-bomba e os israelitas com seus exércitos poderosíssimos - no oriente médio e em Israel e na Palestina tem a sua origem numa briga entre "cumadres" há cerca de 5000 anos atráz.

A Circuncisão

Neste capítulo (o 17) Deus faz um pacto, uma aliança perpétua com Abrão e sua descendência, muda seu nome para Abraão, promete que ele será o pai de muitas nações mas exige algumas contrapartidas. Dentre elas que todo homem a partir dele seja circuncidado - cortar aquela pelezinha que fica em volta do pênis, isso mesmo, só de pensar dói - todo mundo, qualquer filho de 8 dias tinha que cair na faca, os escravos. E quem não fosse circuncidado seria chamado de incircunciso e seria expúlso. E fez mais: também mudou o nome de Sarai para Sara e prometeu que ela - que até então era estéril - teria um filho.

E então vemos aqui uma demonstração da intimidade que Abraão tinha com Deus. Quando Deus disse que sara teria um filho, Abraão baixou a cabeça e começou a rir. E pensou: "Como eu que tenho 100 anos vou ter um filho? Imagine Sara que já tem 90? Tomara que pelo menos Ismael viva!". Deus retrucou e disse que ele iria ter um filho sim, e seria chamado Isaque e a aliança seria feita pela descendência de Isaque. Mas que Ismael - que nesta altura já estava com 13 anos - também seria pai de uma grande nação. Mas o negócio era com Isaque.

Essa parte deve ter doído muito. Assim que acabou a conversa com Deus. Abraão pegou todos os homens de sua casa - Ismael, escravos, todos - e os circuncidou, inclusive a sí próprio. Nossa!

Seria a Trindade?

Este início do capítulo 18 versículos 1 e 2 sempre me intrigou. Ali diz que apareceu o Senhor a Abraão mas quando ele levanta os olhos, ele vê três homens em pé junto a ele. Seria aí a trindade: Deus, Jesus e o Espírito Santo? Aqui não diz se são anjos mas também não diz quem são os três homens e apenas os chama de "o Senhor" durante todo o capítulo. É muito interessante a maneira como este fato é retratado aqui. Mas pra frente dois deles vão para Sodoma e apenas lá é que é dito que são anjos... se bem que isto não fica muito claro. De qualquer forma é muito interessante tudo isso.

E mais interessante ainda é Abraão que trata o Senhor - os três homens - como homens mesmo. Lava os pés deles, traz pão, pede a Sara para fazer bolo, manda o criado matar e preparar um bezerro, traz manteiga, queijo fresco, leite, monta uma mesa pra eles e eles comem. Conversam com Abraão e com Sara. Quando Deus fala sobre o filho Isaque que virá através de Sara. Sara - que nem menstruava mais - rí daquilo como se fosse uma piada. Deus retruca e diz que é verdade. Ela diz que não riu com medo ou vergonha. E Deus diz: "Não diga isso! Você riu sim!". Embora a Bíblia não relate exatamente como foi, eu fico imaginando que foi uma tarde alegre onde conversaram e comeram e riram. Uma verdadeira comunhão entre o homem e Deus. Deve ter sido lindo.

A Destruição de Sodoma e Gomorra

Depois disso Deus sai para passear com Abraão e fala de Seus planos para destruir Sodoma e Gomorra. Estas cidades estavam encharcadas de pecado até a raiz da alma. Deus não aguentava mais ver aquilo e planejava destruir as cidades imediatamente. Mas Abraão indaga a Deus para que não destrua as cidades - sabendo ele que Ló seu sobrinho estava morando por lá. Deus não volta atráz da decisão de destruir as cidades mas decide avisar a Ló para que saia de lá antes que a cidade seja destruída.

Um dos principais motivos porque Sodoma e Gomorra devia ser destruída era claramente o homossexualismo (que devido à própria cidade de Sodoma é chamado até hoje de "sodomia") que praticamente foi inventado por lá. Segundo alguns historiadores naquelas cidades a homossexualidade era praticamente obrigatoria e quem não era adepto das práticas sodomitas tinha que pagar imposto. Haviam templos dedicados aos deuses homossexuais onde os jovens eram iniciados nas práticas pagãs da sodomia. Portanto a coisa lá era feia mesmo. Não se trata de homofobia porque por lá nem opção havia. Era a religião deles. Era a lei.

No capítulo 19 há até um fato que demonstra claramente como as coisas funcionavam por lá: Foi quando deus enviou dois anjos a Sodoma para fazer a vistoria final antes da destruição (ou para eles mesmos iniciarem a destruição, sei lá). Logo na porta da cidade Ló os avistou e os recebeu e os convidou para passar a noite em sua casa. E não é que os homens de sodoma viram aqueles dois homens "lindos e enormes" entrando na casa de Ló ficaram indignados porque Ló estava sendo muito "egoísta" e cercaram a casa dele. E eles literalmente dizem o seguinte conforme a Bíblia diz no versículo 5: - Onde estão os homens que a ti vieram nesta noite? Traze-os fora a nós, para que os conheçamos. - Não sei se vocês sabem ou não - talvez já tenha dito nas análises anteriores - mas, "conhecer" na Bíblia significa literalmente "fazer sexo". Daí dá para ter uma idéia que esse história de homossexualismo lá não era brincadeira.

Ló então saiu na porta e implorou para que não fizessem aquilo ao seus convidados. Chegou - inclusive - a oferecer duas filhas virgens para fazerem o que quisessem no lugar deles. E a resposta foi, literalmente: - "Sai daí!" - Transliterando para algo mais moderno, seria qualquer coisa como: - "Lá ele!" - Fica claro aqui que mulher não era bem a praia dos cidadãos "do sexo masculino" de Sodoma né? Mas claro que isso só com figurinhas. Resultado? Depois que Ló ofereceu as filhas eles ficaram loucos de raiva (não era pra menos) e começaram a arrombar a porta da casa de Ló. Queriam os anjos (não sabiam que eram anjos) a qualquer custo.

Daí em diante é iniciada a destruição das cidades. Os anjos falam para Ló tirarem imediatamente todos os seus parentes da cidade. Ló então vai na casa dos caras que seriam os genros, os que iriam casar com as tais duas filhas virgens. Mas os caras - que provavelmente iriam casar com elas só pela reprodução mesmo - riram de Ló. Ló então só conseguiu tirar da cidade com ajuda dos anjos apenas ele, a mulher e as duas filhas. E os anjos mandam que eles corram sem olhar para traz... mas a mulher de Ló - sabe-se lá porque raios - olhou para traz e foi transformada numa estátua de sal. Será que ela tinha um amante por lá? Será que tinha uma amante? Ou talvez apenas tenha sido movida pela curiosidade que matou o gato e a ela mesma... quem sabe?

Ló e suas duas filhas

Logo depois que Sodoma e Gomorra são destruidas e Ló e suas duas filhas estão sãos e salvos acontece, nos versículos de 30 a 38 do capítulo 19 algo meio que surreal mesmo para a cultura deles, imagine para a nossa: As duas filhas de Ló temendo que ele ficasse sem descendentes, já que a mãe havia virado estátua de sal e não havia homens - que seguissem os costumes deles - por perto, decidiram então dormir com o pai para terem filhos dele. E embebedam o pai e engravidam dele. Cada uma teve um filho do próprio pai. Coisa doida!

Abraão e seus velhos Hábitos

Parece que Abraão não aprende, por várias vezes ele chega em terras estranhas e fica com medo do povo daquela terra pegar a mulher dele e mente dizendo que ela é sua irmã. Aqui no capítulo 20 isso acontece de novo. E - de novo - Deus desce o castigo nos que tentam pegar a mulher dele. Foi assim no Egito e depois em outra terra que eu narrei numa das partes anteriores. Mas não era bem uma mentira total porque Abraão se aproveitava do fato de que realmente Sara era filha do pai dele mas não da mãe, e portanto Sara era, tecnicamente, meia-irmã de Abraão.

Desta vez ele tentou isso com o Rei Abimeleque. Só que o Rei Abimeleque era temente a Deus e um homem justo. E foi salvo pois Deus o revelou a historia toda. Se ele não entregasse Sara, além de morrer, todas as mulheres da sua casa ficariam estéreis. Foi realmente por pouco... bom... se bem que eu não sei direito o que o Rei Abimeleque faria com uma senhora de 90 anos. Talvez faltasse mulher por lá. Sei lá! Mas o fato é que, novamente, Abraão se dá bem nessa história toda porque Abimeleque, para se desculpar, deu ovelhas, vacas e escravos para Abraão. Parece que Isaque terá uma boa herança.

Um comentário:

Ieda Sampaio disse...

Não querendo ofender, acho que vc vai virar pastor.
Gosto do seu jeito de falar dessas coisas.
É despojado. Responsável e leve.

Os comentários aqui postados podem ser citados desde que se mencione junto o autor - no caso eu - e se coloque junto um link para este site ou o permalink para a página de postagem correspondente.