17 de março de 2007

Holofote

Que faço eu neste circo sem graça?
Assisto, espio, interrogo, esmoreço. Pesco
três ou quatro pedaços dessa tristeza toda

Que faço? Tiro o cisco dos olhos com
as lágrimas e os orvalhos das urtigas
e experimento, extasiado, a inclemência do vinagre

Daqui tudo vejo: bifurcações nas estradas do sempre
levam inevitavelmente ao útero do primeiro dia
e toda ida é sempre uma viagem de retorno

A lua, desde a mais antiga das eras
decretou-se mãe dos que dormem na praça
e holofote dos que lutam no escuro

Edmar Vieira

2 comentários:

Poliane disse...

Bem, Joe...
Pelo visto temos várias coisas em comum!! Cristo e poesias!! hehehe

Gostei muito do seu espaço!! Fiquei feliz de estar recebendo vc lá na blogosfera cristã!!

Carpe Diem!
Blessings

Ieda Sampaio disse...

Hein?

Os comentários aqui postados podem ser citados desde que se mencione junto o autor - no caso eu - e se coloque junto um link para este site ou o permalink para a página de postagem correspondente.