12 de janeiro de 2006

O Ônibus

Nada penso agora
Apenas olho
Tudo passa rápido
E lento
Olho a fundo o fundo
Do mundo
Que enxergo
Tudo isso da janela
Vitrine do céu
Vejo o céu agora
E as núvens
Tão perto
Tão longe
Tão lindas
100% algodão
E o asfalto passa
E as casas, postes
Plantas, ipês amarelos
Tudo passa
Tudo na janela
Passa também um homem
Aqui dentro nada
A declarar
Não vale a pena
Pensar?
Só no que passa
Lá fora
Tudo penso agora
Em nada

Joe Edman em 27/02/1993
poesia encontrada no mesmo caderno velho mencionado no post anterior

Nenhum comentário:

Os comentários aqui postados podem ser citados desde que se mencione junto o autor - no caso eu - e se coloque junto um link para este site ou o permalink para a página de postagem correspondente.